16 abril 2008

Não pares de beber que não é preciso

Eu sei que tu e a palavra Bêbado são um bocado como eu e a palavra... errrrr.... .... Amor! Ou seja, faz-nos um cadinho de espécie e achamos que isso é coisa de maricas. Mas sim, foi por te ver tão anti-gravitacional que me deu a inspiração para esta mensagem que de conteúdo tem muita caca, mas que de fundo tem muito carinho. Olhei para ti a saltar que nem uma papoila e pensei cá para mim, já que sou uma gaja muito dada a vários pensamentos: "Esta miúda está tão Bufa e eu não, (já que tenho corpinho de camião TIR), que já merece uma dedicatoriazinha".
Ora bem, aqui está.
Acredito que não valha a pensa mover mais o moinho porque o pão já está feito e bem feito, fermentado com muito cuspo e amarrado com um forte cordel. Um cordel que agora se alongará, mas que continuará forte e robusto como um Cabo Verdeano que faz desporto.
Segundo o que percebi não há nada que não devesse ter dito e tu, não disseste nada que eu não quisesse escutar. Aliás, tu pouco disseste... ouviste, interiorizaste, processaste e espero que um destes dias cagues tudo de uma vez, que isto é muita merda para uma cabeça só. São, e sabes que acredito nisto, conversas de cocó, mas atenção, isto não é de todo pejorativo... estas conversas foram para mim daquelas cagadas muito bem feitas que sabem bem quando saem e nos sentimos muito melhor depois.
Esta comparação, toda ela muito infeliz, só para te dizer xóriço... não... vá, eu concentro-me... só para te dizer que me fizeram muito bem. Posso sentir que ainda não te conheço os poros, mas sinto que me conheço muito mais e melhor, que me compreendo e ...pronto, fica lá com a bicicleta... me aprecio mais.
E isto sim é perigoso, minha Porca, porque não há pior desilusão do que a que se tem de nós próprios e quando te começas a olhar com olhos de Narciso, começas a subir degraus muito íngremes dos quais poderás cair em qualquer momento e é por isso que, por vezes, a segurança da humildade é mais reconfortante que as alturas da exibição.
É claro que me dá muita piada ser assim tão querida e fofa e além do mais super interessante e modesta (demasiadas qualidades para uma pessoa só - será que estou esquizofrénica e oiço aplausos?!?). E assim venho por este meio, que tu achas tanta piada, escrever esta que seria a tua fita. Obrigado por toda a amizade, dedicação, sinceridade, sangria do Consum e muitas, muitas gargalhadas (viste como consegui dizer coisas bonitas sem fazer alusão a fezes?? Estou a crescer... que bonite!).
Sim, fui eu que te chamei Mary Lu, ter pêlos na língua não se refere a problemas capilares e acho realmente que a Zara não te diz absolutamente nada, minha grande Senhora Cerda.

4 comentários:

  1. ....olá.....eu chamo-me Maria... e tenho um problema....

    BÊBADA EU?? Esta ressa… er… DOR DE CABEÇA! Que hoje sinto foi de tanto ESTUDO, ah pois é! É no que dá, ser uma mocinha aplicada na escola, consequências dos Boids, Bucles e Flocks… filhos de uma ganda puta é o que é!!

    …e digo já que, se este teu texto, é o resultado dos (quase) dois pacotes de sangria que mamei, (mamei é liiindoo) há que buber mais páaaaa!! Então agora é preciso andar a saltar que nem uma papoila para me dizeres coisas bonitas misturadas com fezes?? Ah bom…

    Vamos lá Maria, sê sóbria…

    Bem… na verdade… este “Pão” foi sem dúvida fabricado por gente que não gosta da palavra “indústria”. Não é preciso ter a sabedoria de um padeiro de farinha na bigodaça para saber que este “Pão” não é feito nem consumido por qualquer um. Nem fica duro no dia seguinte. Naa… não foi feito para completar refeições, ou servir de base para lanchinhos num picnic fugaz. (picniiic palavra muuito amaricada, é como biquiniii) Naa… Há que ter jeito, (modesta a miúda ein?) há que saber dissolver, bater, misturar, amassar bem… deixar repousar……………… (a do “amassar bem”, é para ti, pois tá claro).

    …e assim foi, com as minhas mãos de jardineira, e com as tuas, picadas por palmeiras, cortadas por facas, queimadas pelos fritos e com um bico de lápis cravado, que colocámos esta massa numa vasilha de barro, cobrimo-la com um pano e agora, é deixar crescer em lugar livre de correntes de ar, como manda a receita. E irá com toda a certeza, dobrar de volume……

    Para as pessoas que queiram tentar isto lá em casa, passo a explicar “A Receita deste Pão”:

    7 xícaras de sinceridade
    2 xícaras de atenção
    1 colher cheia de humor
    2 colheres de interesse (no sentido que conheces da palavra)
    2 tabletes (porque raios te imagino a dizer a palavra “Tabletes”?) de saudade

    (Não leva nem deve levar muitos ingredientes, caso contrário, não seria pão. E, como qualquer receita que se digne, existe um segredo. (teria piada dizer que o segredo está na massa, mas não vou fazer esta piada primária) Esse segredo, por motivos de segurança não será aqui revelado. Mas, se existe alguém que queira à força saber o segredo, devo desde já dizer, que me vendo por comida).

    Então tu AINDA não me conheces os poros?? AlÔo… ALÔoooo?!! Nivea não te diz nada Porca?? E isto sim “é perigoso.”

    Não retiro nem uma sequer letra do que disse e considero que és. E sei que não te vai ocorrer cair dentro de um lago comó parvo do Narciso e morreres afogada. O facto de saberes nadar dá-me uma certa tranquilidade, confesso.

    Ah…então foste tu… que me chamas-te Mary Lu……… quanto aos pêlos na língua, tenho-te a dizer… çrhe9iwgds82t23oj23f+0’QWD)sjfsojr
    pwdldODP+WP~……………..pronto…já passou…. Tá tudo bem.

    …Saudade já cá canta há alguns dias.

    Aumentas o meu dicionário. Todos os dias surpreendes. Inventas novos provérbios. Quantidade de coisas bonitas que saem dessa mesma boca capaz de dizer “cagar” tanta vez… Nunca antes a palavra “beleza” fez tanto sentido na minha cabeça.
    …Eu sei o quanto te é difícil dizer chouriço. Eu padeço da mesma condição e acabo também sempre por dizer…xóriço…

    É, o atilho vai-se alongar um bocadinho, pois é...pois é...pois é...pois é.....pois é, pois é... Mas, como não é um cordelito desses modernos, comprados nos chineses, e é antes um ATILHO, tem a força das coisas antigas.

    (…pronto, é ressaca mesmo. E digo que estar de ressaca e ter um pouco de cabeça para escrever, coisas que nos saem de dentro e que não é necessariamente cocó, tem muito que se lhe diga. É resultado do “Pão”).

    ………………lembrei-me agora… acho que nunca antes ninguém chorou com um texto em que estivesse inserida a palavra fezes!

    ……Olá… eu chamo-me.... Maria…e..tenho outro problema………………………………………………………

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. eix... só agora é que reparei............................

    nisto:
    O seu comentário foi guardado e ficará visível após a aprovação do proprietário do blogue.

    que cena... bem.... estava a atrofiar.. n conseguia ir pá cama sem fazer o comentário... bem, já tá.
    que tótó.........................vá, é da ressaca.......................

    ResponderEliminar
  4. Não sei quem foi a alminha que te fez sentir e expressar por palavras o seguinte:

    "Posso sentir que ainda não te conheço os poros, mas sinto que me conheço muito mais e melhor, que me compreendo e ...pronto, fica lá com a bicicleta... me aprecio mais."

    Atenção: ME APRECIO MAIS!!!!


    Mas para ela (Pessoa) um grande Bem Haja...conseguiste o que eu não consegui...
    O que interessa é que tu, HosHi Maria, deixaste de ter uma relação de puro ódio com o vidro...e quase que arrisco que tudo começou com um vestido preto da Zara....eheehehe...Linda que a minha filhota é....

    Beijos enormes do tamanho de GAIA, a Mãe de todas as Mães...

    Fico-me por aqui, que também eu estou com os copitos da festa de despedida...me voy..

    Baci
    Gypsy

    ResponderEliminar